Conhecendo Chapada dos Veadeiros

O Brasil tem belezas naturais de norte a sul e nesse tempo de pandemia estamos tendo a oportunidade de ter um olhar diferenciado para o nosso País.

Sempre comemoramos nossas datas especiais viajando e, para celebrar nossas Bodas de Flores e Frutos, fomos para a Chapada dos Veadeiros.

Durante todo esse período de quarentena essa foi a nossa 1a viagem de avião, estávamos apreensivos.
Partimos do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, para aeroporto de Brasilia. Nos dois aeroportos observamos o cumprimento de todos os procedimentos quanto ao distanciamento social e higienização, mas os vôos estavam muito cheios e esse foi um ponto de muita preocupação, entretanto nas filas e a bordo, todos têm que usar máscaras. Não está rolando serviço de bordo e no desembarque não há aglomeração, pois é feito por fileiras, uma de cada vez.

Mas vamos combinar….. viagem sem perrengue não sobra histórias para contar 😂😂

Depois de muito atraso, em função da chuva forte no Rio e mudança de aeroporto finalmente conseguimos decolar (do Galeão).

Chegamos em Brasilia depois de meia-noite e, após 40 minutos esperando a locadora de carro vir nos buscar, descobrimos que a mesma estava fechada, apesar de constar no site de reserva que o atendimento era 24 horas 🤷‍♀️

Fizemos contato por telefone com a central e descobrimos que nossa reserva havia sido cancelada porque não pegamos o carro dentro do horário previsto.

Dica: As locadoras, de uma forma geral, não acompanham o andamento de seu vôo, mesmo quando você informe o número do vôo em sua reserva, então, se perceber que vai atrasar, melhor entrar em contato com eles e alterar o horário da retirada de seu veiculo.

Como íamos chegar cedo, escolhemos um hotel próximo a restaurantes e o Shopping Brasilia para aproveitarmos a noite. Chegamos 2horas da manhã, ou seja, ficamos longe do aeroporto e não aproveitamos as facilidades do hotel.

No dia seguinte, às 7h da manhã, estávamos na locadora para alugar outro carro. Não conseguimos carro da mesma categoria, face à grande demanda por causa do feriado. Pegamos o que tinha e partimos.

1 . COMO CHEGAR A CHAPADA?

A partir de Brasilia são 230 km até a cidade de Alto Paraiso. Nosso hotel ficava nessa cidade, mas você pode se hospedar também em Vila de São Jorge, Colinas ou Cavalcante. Achamos Alto Paraíso mais central e próxima aos pontos turísticos que queríamos conhecer.
WASE funciona bem nesse trecho, mas aí, na Chapada use GOOGLE MAPS, senão quiser ficar perdido.

Ponto de atenção: entre Brasilia e Alto Paraiso são poucos os postos de abastecimento e locais com boa estrutura de lanches / refeição – fique atento ao combustível.

Na cidade a internet funciona de modo precário , então faça seus roteiros usando wiffi do hotel.

2. ONDE SE HOSPEDAR?


Em Alto Paraíso tem hospedagem para todos os bolsos, desde pousada mais simples à mais luxuosa.

Escolhemos , pelo http://Booking.com uma pousada que tivesse conforto e fosse próxima a cidade.
Ficamos na pousada casa de shiva . Excelente atendimento, a 5 minutos de carro do centro e o que mais gostamos – em meio a há uma vasta vegetação.

O café da manhã era servido individualmente, todos os itens vinham da cozinha direto para mesa de cada hóspede.

Recebemos um carinho especial por estarmos comemorando nossas Bodas de Flores e Frutos com eles. Fizeram um bolo, uma cartinha de felicitações e ornamentaram nosso quarto com flores naturais.

3. GASTRONOMIA

Sempre procuramos experimentar a culinária local e nesse destino não foi diferente.

Restaurantes que indicamos:

L’Alcofa

Esse restaurante fica na Pousada da Inácia. Normalmente só atendem a hóspedes, mas com reserva antecipada é possível almoçar ou jantar nesse lugar único nessa região.

A Pousada é linda e o restaurante simplesmente maravilhoso. Além da adega com mais de 1000 rótulos de vinhos de todas as partes do mundo, na equipe de profissionais tem 3 Cheffs: Italiano, Argentino e Brasileiro.
Fizemos ali o almoço de comemoração de nossa Bodas.

Custo: Almoço para casal com vinho e sobremesa de cortesia pelo nosso niver – R$ 385,00

VENDINHA 1961

Melhor estrutura que vimos até o momento, no que diz respeito ao distânciamento social.

As mesas são separadas por divisórias de acrílico e, para isolar mesmo o cliente, atrás de cada mesa há uma cortina com um tecido transparente.

A casa tem como “carro chefe” seus pasteis, aliás, foi o melhor pastel que já comi na vida. Mesmo que não goste, não deixe de experimentar pelo menos um dos muitos que constam no cardápio. Nós experimentamos 4. Os que mais gostei foi carne com queijo e o de doce de leite.

Custo: Não comemos só pastel, então a conta ficou um pouco mais cara. Almoço pra duas pessoas com bebida pagamos R$ 185,00

WALDOMIRO

Esse é um restaurante regional, muito simples, que fica na Rodovia GO239 em direção a Vila de São Jorge e algumas das muitas cachoeiras que visitamos. Várias pessoas nos recomendaram para que pudessemos conhecermos a comida tradicional da região.

Comemos uma Matula com Carne , que é carne de sol, carne de lata (frita), carne de panela e linguiça caseira desfiadas e misturadas com feijão e farinha de mandioca. Tudo isso forma um tutu e é servido na folha de bananeira. Acompanhada de: arroz, mandioca frita, paçoca de carne de sol e salada de tomate.
Nem preciso falar que comemos muito😂.

Custo: Um prato serve muito bem a duas pessoas. Com bebida pagamos R$ 100,00

PIZZARIA 2000

Se você, assim como nós, gosta de música ao vivo e uma boa pizza, esse é o lugar. Pizza feita no forno a lenha, com massa bem leve e uma boa variedade – além de pizzas servem outras massas.

Custo: Uma pizza para duas pessoas, bebidas alcoólicas e couver artístico – R$ 155,00

Restaurantes Recomendados, mas que não conseguimos ir:

Santo Cerrado – está localizado na Vila de São Jorge, no caminho de quem vai para o parque Nacional. Um dia estava muito cheio e quando voltamos na 3a feira após feriado de finados, estava fechado.

Jambalaya espaço gastronomico – Não conseguimos fazer reserva no fim de semana e pós feriado estava fechado.


4. DIVERSÃO

Com cenários deslumbrantes e natureza privilegiada, na Chapada você tem oportunidade de conhecer várias Cachoeiras, visitar Parque Nacional, fazer trilhas e andar de quadriciclos num passeio pra lá de radical (não fizemos porque a fazenda São Bento, de onde partem esses passeios estava fechada).

CACHOEIRAS

Os acessos à maioria das Cachoeiras acontecem pela rodovia GO-239, mas como já falei antes usem Google Maps, pois outro aplicativo não te levará corretamente onde deseja.

DICA DE OURO:
Para fazer as trilhas use: calçado apropriado, filtro solar, repelente, água (pelo menos 1litro por pessoa), isotônico e barrinhas de cereal.

🏞 Cachoeira do Segredo

Para acessar essa cachoeira você deve estar no acesso principal no máximo às 13h. Esse acesso está a 20 minutos de carrro a partir da rodovia, passando por um trecho sem asfalto e de dificuldade moderada. É possível chegar com carro de passeio, mas tenha cautela, pois alguns trechos só é possível passar um veículo de cada vez.

No acesso principal você deverá ler e assinar um termo de responsabilidade quanto às suas condições físicas para fazer trilha. Você poderá fazer a trilha sozinho ou acompanhado de um guia (no local há vários que podem ser contratados e pagos à parte).
Valor pago para acessar R$ 40,00 por pessoa.

De todas as Cachoeiras que visitamos essa foi a mais bonita. A trilha de acesso tem 8km (ida e volta) e é bem demarcada, porém, para quem está fora de forma é cansativa. Se tiver medo de passar em pontes suspensas, melhor não arriscar, pois no caminho há 4 delas e balançam bastante (principalmente a última que é a mais alta).

A queda d’agua tem 115 metros de altura e forma um lindo poço de água azul esverdeada, mas optamos por não entrar na água, devido à aglomeração de pessoas.

🏞 Cachoeria dos Cristais

Nesse local você encontrará duas trilhas. A dos Cristais e a das Águas Frias, Fizemos a primeira, que possui muitas quedas d’água, sendo a Véu de Noiva a mais bonita, e a mais difícil de chegar.

Apesar da caminhada até essa cachoeira ser curta a dificuldade é moderada, pois não existe uma trilha, e é preciso passar por um caminho íngreme com muitas pedras escorregadias.

Valor pago para acessar todo complexo é de R$ 25,00 por pessoa.

Nesse local você encontrará a primeira Vendinha 1961. Tudo começou alí, depois eles expandiram e montaram outro restaurante no centro da cidade.

🌵Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros é conhecido pelos deslumbrantes desfiladeiros e formações de cristais de quartzo. Algumas quedas d’água tem altura superior a 100 metros . O acesso ao parque se dá pela GO-239, km 36 na entrada para Vila de São Jorge.

Assim como outras atrações na Chapada o acesso é pago. R$ 15,00 de estacionamento e R$ 18,00 por pessoa.

Após adquirir os ingressos e medir a temperatura o visitante é convidado a assistir um vídeo com as normas de segurança nas trilhas e cachoeiras e que o ajuda na escolha da trilha a seguir. O parque não dispõe de socorrista ou brigadista.   

Em virtude das chuvas na região, das 4 trilhas disponíveis, apenas duas estavam abertas.

Amarela – Com 11km de ida/volta e grau de dificuldade moderado, nos leva até as Cachoeiras do Garimpo e Saltos que tem quedas d’água de 80 e 120 metros. Além disso, você poderá se refrescar nas corredeiras e carrossel. A ida parece tranquila, pelo que nos foi informado, pois é basicamente descida, mas pensem bem, porque tudo que desce, sobe, e na volta você estará mais cansado.

Vermelha – Tem a 10.5km ida/volta e grau de dificuldade leve. Essa trilha leva aos Canions I / II e à cachoeira “Cariocas”.

Escolhemos fazer a trilha vermelha, pois cachoeiras já tínhamos visto algumas e Cânions, para nós, não é algo que vemos com frequência.

Não achamos leve a  1ª fase da trilha. É preciso andar por cima de pedras e algumas bem escorregadias,  mas toda a trilha é muito bem sinalizada.

Do ponto de partida até às Cariocas, levamos 2:20 h com uma pequena parada numa ponte suspensa para tirar fotos. Das Cariocas até os Cânions é relativamente rápido.

CACHOEIRA CARIOCAS – Ficamos boquiabertos com a beleza desse lugar. O volume de água é absurdo. Nunca tínhamos chegado tão perto assim de uma queda d’água tão exuberante.

CANION I – Para ter uma boa visão desse Canion é preciso chegar bem na ponta da pedra mais alta. Se você tem algum problema com altura, não recomendo. Eu fui bem pertinho, senti os respingos da água em meu corpo e contemplei essa maravilha da criação.

CANION II – Dependendo da época do ano é permitido tomar banho no poço que se forma abaixo desse Canion. Não arriscamos, pois vimos que tinha muita correnteza.

O tempo fechou rapidamente e ainda tínhamos pelo menos 2h de caminhada de volta.

Foi bem cansativo, mas valeu cada minuto naquele lugar.

Lembrete: ver a Dica de Ouro

Depois de 4:30h de caminhada estávamos tão cansados que única coisa que queríamos era relaxar.

Águas Termais na Chapada Dos Veadeiros

A aproximadamente 10 quilômetros do parque, existem tem 3 locais com águas termais:

* Morro Vermelho

* Éden

* Jequitiba 

Como a idéia era relaxar e seguindo a dica de uma amiga que tinha ido recentemente, partimos para conhecer as águas termais do Morro Vermelho.

O ingresso para acesso as piscinas custa R$ 30,00 por pessoa.

São 5 piscinas naturais, onde se pode ver a água fluindo do solo. Água quentinha e transparente, um oásis para relaxar depois do dia intenso que tivemos.

O local estava bem vazio, o que nos agradou muito. Depois de experimentar todas as piscinas, escolhemos ficar na 1ª, pois era cercada de vegetação e a temperatura da água não era tão quente.

Após o relaxamento, Comemos algo na portaria das termas (há bar/restaurante que vende pequenos lanches)í e voltamos para a cidade em busca de um restaurante para almoçar.

Último dia na Chapada

Depois de dois dias intensos de trilhas, optamos por um passeio mais leve e um tempo livre para bater pernas pelo centro da cidade.

🏞 Cachoeira da Loquinhas

Diferente de todas as demais atrações que visitamos, essa fica bem pertinho de Alto Paraiso. Há uns 3km a partir da rua principal da cidade.

Numa excelente estrutura, toda a trilha é feita sob uma passarela de madeira e é muito bem sinalizada.

Existem duas trilhas. A da Loquinha e a Violeta.

O rapaz que nos vendeu o ingresso, na entrada do parque, falou que a da Loquinha era mais bonita, então partiu conhecer.

Ingresso a R$ 35.00 por pessoa e pessoas acima de 60 anos não pagam.

Fomos orientados a retornar caso chovesse durante a trilha, pois nesse local é muito comum Tromba D’água. Em dias de chuva o local não abre por medida de segurança.

São 9 cachoeiras e 1 mirante nessa trilha de 1.2 km

♦️poço da jacutinga
♦️poço dos macaquinhos
♦️poço veredas
♦️poço curupira
♦️poço da vovó
♦️poço da siriema
♦️poço do xamã
♦️mirante
♦️poço do pajé
♦️poço do sol

Para mim o mais bonito foi o Xamã.
Se a sua vibe for se refrescar e relaxar numa cachoeira esse é o lugar.

Dica: Se quiser passar o dia leve água e seu lanche porque não tem nenhuma estrutura de bar ou restaurante nesse local.

O poço do Sol era um convite para um mergulho, mesmo estando nublado. A água estava gelada, não foi dessa vez.

Fomos para Fazenda São Bento para conhecer as Cachoeiras Almecegas I e II e fazer o passeio de triciclo, mas estava fechada. Segundo fomos informados só irá abrir quando acabar a pandemia.

VALE DA LUA

Deixamos esse local para o último dia, pois durante o feriado estavam limitando o número de visitantes e as filas estavam enormes.

O acesso se dá pela rodovia GO-239, no KM 35.

Saindo da rodovia você encontrará uma estrada sem asfalto, mas em boas condições, apesar da chuva. São mais ou menos 3km nessa estrada até o acesso principal.

O relevo do Vale da Lua é formado pelo encontro de dois grupos Geólogicos: Paronoá (1,3 e 1,0 bilhões de ano) e Traíras (1,8 e 1,3 bilhões de anos).

As crateras do Vale da Lua são conhecidas como marmitas ou panelas e são formadas a partir da erosão provocada pela dissolução mineral e pela circulação de água e seixos de rocha, como num liquidificador.

As crateras tem um aspecto Lunar.

O local é um deleite para os amantes da geologia e para turistas “normais” como nós. Um paraíso para muitas fotos e alguns mergulhos.

Não tem como vir nessa cidade e não conhecer o Vale da Lua.

O ideal nesse lugar é fazer foto com Drone, para mostrar como realmente lembra as imagens que vemos da lua, mas não estávamos com tal equipamento.

Após muitos dias com chuva o sol finalmente apareceu e não resisti um mergulho nesso local impar.

Um último “até breve” para esse lugar que marcou nossas vidas pelas suas belezas e pelas experiências aí vividas.

Preparamos todo esse material com muito carinho para ajudar a você viajante na elabroação do seu roteiro para a Chapada dos Veadeiros.

Se tiver alguma dúvida ou sugestão, deixe seu comentário e teremos prazer em responder.

Até a próxima aventura.

8 thoughts on “Conhecendo Chapada dos Veadeiros

  1. As Chapadas brasileiras são verdadeiros paraísos excepcionais da natureza. Que passeio maravilhoso e imperdível para a Chapada dos Veadeiros!

Leave a Reply to Ângela Martins Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *